0

Assumir, mudar, desistir..

Posted by Aline Zamboti on 17:03 in , , , , ,
Como o ser humano consegue se achar tão diferente e tão mais especial que os outros?! Fico impressionada com a alta capacidade do ego de se sentir melhor que os demais e de como isso é, muitas vezes, nem percebida pela própria pessoa e pelas demais também.

Acho que o pior de tudo não é identificar esse "ego egoísta" no outro e sim, em nós mesmos. Não dá para criticar nem dar conselho, pois você não está vendo de fora, e sim fazendo parte dele. Sem contar aquele sentimento de repúdio, aquela rejeição interna que acaba lhe consumindo até não ter mais por onde fujir, ai você assume e tenta mudar.

Mudar. Essa é uma palavra fácil de explicar mas difícil de fazer. Primeiramente porque para mudar você pecisar começar de algum lugar que, na maioria das vezes, parece não dar em nada, além de ser o mais cansativo, porque é aquele que você olha para trás e ainda não tem nada para se orgulhar e olha para frente, e pensa, "Nossa, falta muito ainda".

A mudança também pede um motivo, mudar por mudar não é mudar. Mudança vem acompanhado de medo, insegurança, querer e oportunidade. Medo, apreensão, receio; Insegurança, não ter certeza, falta de firmeza na decisão. Querer, todos querem, mas pouco levantam para começar, ou, não têm oportunidade. Parece balela, mas a questão de oportunidade é uma realidade que existe sim, é que nem o famoso "QI".

Mudar não é escolher qual nova cor de tintura usar, mas o que mudar de sua personalidade, de seus pensamentos, crenças, costumes e ambientes, que estão tão arraigados em você, se tornam tão difícies, que se passa, facilmente, em sua mente em desistir.

Ai vem a contradição. Desistir, para alguém que sempre pensou no próximo passo, não existe em seu vocabulário. Então, o que fazer quando se quer desistir de si mesmo ao ponto que haja a vontade de mudar?

Links para esta postagem |
0

Meu pensamento

Posted by Aline Zamboti on 23:00 in , , , , ,
Ai, se você pudesse ler a minha mente... aaaaai, se você pudesse, eu ia passar muita vergonha! Porque quando você me olhou naquele instante, assim fundo, conectado e firme, sem desviar, aqueles olhos doce que só falta calda de chocolate pra acompanhar, eu fui tão espontânea como se deve ser. Não quis (nem pude) evitar um pensamento assim tão puro, tão pueril, como quem se declara aos 12 anos: puxa, se você é uma graaaaaaça!

eu sou terrível
não é preciso nem avião
eu vôo mesmo aqui no chão
[roberto e erasmo carlos]

by Prosadora

Links para esta postagem |

Compartilhe

Copyright © 2009 Depois do Dois All rights reserved. Theme by Laptop Geek. | Bloggerized by FalconHive. Distribuído por Templates